terça-feira, 29 de maio de 2012

Uma experiência musico-sensorial



Felix Mendelssohn Bartholdy é mais popular por sua “Marcha nupcial”, peça abusivamente executada em casamentos, mas seu Concerto em mi para violino e orquestra é uma experiência musical e psicológica muito forte. O 1º movimento desse concerto do judeu Mendelssohn é uma tremenda sacação emocional de certos lances da vida! Prenúncio de drama, de pesadelo. A fala nervosa e irritada dos violinos nas oitavas, discutindo com os celos e oboés alguma problema grave.

Uma sensação de algo pesado e difícil. Sensação de anúncio e escape a algo não muito bom a acontecer. Um sonho ruim de passado que tenta se continuar no presente. “Bad memories” em “present-perfect-tense”.

Ventania e clima alternado frio/quente/carregado.
O céu ameaça cair, qualquer hora a casa cai.
Como vamos ficar? Há abrigos? A quem recorrer?
Mas há soluções à vista.

Cathy, perdida no “O morro dos ventos uivantes”, sozinha, à meia-noite, lá no topo do morro,à beira do abismo .
Difícil equilíbrio shakespeariano entre o ser e o não ser...

Poderia ser alguém de nós, só, às 11 da noite em plena praça do Ferreira em Fortaleza, desfilando liso e desarmado entre marginais com a espada de Dâmocles sobre a cabeça.

Talvez tenha sido isso que Mendelssohn quis passar através da música nesse concerto: uma sensação desagradável que vem à tona rápida, persistente, insistente como um gosto de azinhavre ou de braço de poltrona na boca.

Conselho: pule o primeiro movimento (ou não, para se aliviar no segundo e no finale). O segundo mostra que a tempestade típica de Orlando no verão, mesmo com seus trovões e relâmpagos, era apenas e nada mais que uma simples e passageira chuva. Não caíram coriscos. O vento forte agora é uma brisa leve. Nuvens cinzentas se esfumaçaram.
Há um diálogo calmo entre os instrumentos (interlocutores).  Calmante sem uso de drogas.
O drama pintado era prelúdio de saídas. Soluções aparecem quando menos se espera.
Há que se ter confiança e esperança e o diabo nunca é tão feio como se pinta.
Pode-se pelo menos assobiar, sorrir, nunca gargalhar, mas pelo menos dormir.

O acalanto vem no Finale.
A paz se derrama saltitante, quase gay como Gene Kelly em “Cantando na Chuva”.
Há entendimentos e “insights”, luzes no fim do túnel.
Nada é grave, nada é grande, nada deve perturbar o curso da vida, esta sim, embora curta, deve ser grande. Tudo agora parece pequeno diante da grandeza da vida.
Tudo é superável: climas, situações, problemas, conflitos, preconceitos.
Agora a beleza, a alegria e o consenso falam mais alto.
Até que enfim a catarse. Retorna-se ao “joie-de-vivre”.
Concerto completo de Mendelssohn em Mi menor – uma sessão musical de descarrêgo!


 Quer uma mostra grátis?
Acesse:

sexta-feira, 18 de maio de 2012

quinta-feira, 3 de maio de 2012

DNA















Será:
D (eus) NA
terra e nos céus?

D (e) N sA
mente em
Gens
Como
Deusesgens
na
gen te.

Um
Deus-GEN-te
presente em
todos os viventes.

Gen-i-al
logicamente
Gens et Al.

O próprio livro
da vida, o
GEN esis?

(1982, To Watson and Creek)

Luar sobre Fortaleza

Luar sobre Fortaleza
Praia de Iracema

Lady Godiva

Lady Godiva

Info-Arte

Info-Arte
Verso e reverso

Fotopoema

Fotopoema
Nascimento

Fotopoema2

Fotopoema2
Picasso - Guernica

O Sudoku de Ant.Gaudi no portal da Sagrada Família em Barcelona

O Sudoku de Ant.Gaudi no portal da Sagrada Família em Barcelona
Qualquer soma nas colunas, nas linhas ou em X dá 33: a idade de Cristo na cruz!

Pensamento1

Pensamento1
Fanatismo

Dies irae dies ille

Dies irae dies ille

These foolish things

These foolish things

Tem dias...

Tem dias...
Tem dias!

Wicked game (Kris Izaac)

Wicked game (Kris Izaac)

Babalu

Babalu
Fotopoema

Festival de Natal - Lago Negro - Gramado-RS

Festival de Natal - Lago Negro - Gramado-RS
Nativitaten - um espetáculo que se renova e merece ser visto e revisto!