segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Parêntese para Paulo Mendes Campos

 “E de repente, caminhando nesse dia atribulado de fevereiro, quando todas as amarguras já bebi em minha vida confusa e malbaratada, nem de todo sábio nem de todo bôbo, não tendo outro propósito no espírito senão o de abrir bem os olhos, pegar os objetos, ouvir, provar os vinhos turvos, respirar esse aroma vegetal de outras tardes antigas, receber enfim a dádiva dos sentidos e cumpri-la, aquecendo-me ao sol, molhando-me na chuva, banhando-me no mar...

De repente em meu caminho cruzado por um cego bêbado e crianças de uniforme, imagino, com remorso, que muita gente esperdiça tempo demais a trabalhar sem amor!”

(Extraido de livro de crônicas)

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Cristovão Colombo não era italiano

Uma das coisas que me surpreendeu quando estive em Barcelona, há alguns anos atrás, foi uma estátua de Cristóvão Colombo, no alto de um pedestal de 50 metros de altura, de costas para a cidade e de frente para a baia do cais de “la Fusta”, apontando para o mar em atitude indicativa! 

Que teria Colombo a ver com Barcelona? Porque os catalães teriam erigido uma efígie em homenagem, segundo a história oficial, a um pretenso italiano de Gênova?
Em um bar nas Ramblas perguntei a um provecto senhor, aparentemente conhecedor das coisas da cidade, porque Colombo estava ali no “moll de la Fusta”, apontando para o Mediterrâneo!
- Colombo não era genovês, era Catalão, respondeu o cidadão. E não está em direção ao mediterrâneo. Aponta para o estreito de Gibraltar. Deste cais ele saiu para o Atlântico em direção à América...
- Mas...
- No más. Punto y basta.

Bosta, pensei eu, e continuei matutando toda vez que me dirigia à região do Port Vell ou à Barceloneta, atravessando a Avenida Colombo ( Paseig de Colón) pela Rambla.

Aquela estátua martelou meu cérebro durante quase 3 anos até que um belo dia, por acaso, abrindo a TV no History Channel e, tchan, tchan, tchan: estava começando um documentário sobre a Teoria Catalã de Cristóvão Colombo!
Não perdi uma vírgula. Ou melhor, perdi porque me esqueci de gravar.

Um doutor em arqueologia e antropologia, professor de uma daquelas famosas universidades americanas, não lembro se Harvard, Stanford ou Yale, Charles Merril investigou minha ( e de inúmeros outros historiadores) insistente pergunta e chegou à conclusão de que Cristóvão Colombo realmente era um catalão que mascarou e escondeu suas origens até à morte.
Seu próprio filho, D.Fernando Colombo, escreveu um livro (em castelhano), “História Del almirante D.Cristóbal Colón”, obscurecendo a pátria e a origem de seu pai, por vontade expressa do seu progenitor.
Segunda pergunta intrigante: por que?


Fatos apresentados pela teoria Catalã:
  • Todos os escritos de Colón, como se intitulava, foram escritos em língua castelã (castelhano), com expressões típicas do coloquial catalão.
  • Até nos seus escritos em latim, língua erudita 
  • daquele período, escreveu com forte influência hispânica e não genovesa.
  • À época a Catalunya pertencia ao reino de Castela e Aragão.
  • Colón era um navegador inimigo de João II, aspirante ao trono de Aragão, contra o qual lutou em várias batalhas navais e depois foi sucedido pelos reis católicos D.Fernando e D.Isabel.
  • Colón permaneceu algum tempo em Portugal, que em meados do século XV ainda pertencia ao reino de Castela e Aragão, tendo se casado com uma fidalga portuguesa.
  • Fidalgos só se casavam com fidalgos e judeus ricos com judias ricas.
  • Após exames de DNA feitos nos ossos de Colombo e do seu irmão, mostrados no documentário, Merril descobriu que Colombo era judeu “sefardi” de acordo também com a tese de outro historiador, Salvador de Madariaga (DE MADARIAGA, Salvador. “Vida del muy magnífico senõr Don Cristóbal Colón”. [S.l.]: Espasa-Calpe, reimpresso em 1975), segundo informação do site Wikipedia.
  • Colón teria ocultado ou mascarado sua verdadeira origem por vários prováveis motivos: queria muito dinheiro dos reis católicos para financiar sua incursão às Américas e, sendo judeu e tendo lutado contra João II, jamais seria admitido à corte de D.Isabel e principalmente para fugir da perseguição da “Santa Inquisição”. Melhor seria ser confundido ou se passar por genovês, uma vez que muitos de seus ascendentes, os Coloms ou Columbus, em latim, seriam judeus sefardi de Gênova, fugidos da perseguição da Inquisição italiana para a Catalunya onde, de acordo com o mesmo Madariaga, teriam se convertido a “novos cristãos”.

Outras teorias foram lançadas, até de alguns historiadores portugueses no começo do século XX de que Colombo seria português...(por ter casado com uma portuguesa?). Bem, aí já é outra estória de português, (não outra história)...




Agora entendo a estátua de Colón do alto de seu pedestal em Barcelona e torço para que essa teoria vá fundo, desmascare a história oficial e revele a verdadeira biografia de um herói, um guerreiro, um desbravador,um homem que mudou o mundo.

Luar sobre Fortaleza

Luar sobre Fortaleza
Praia de Iracema

Lady Godiva

Lady Godiva

Info-Arte

Info-Arte
Verso e reverso

Fotopoema

Fotopoema
Nascimento

Fotopoema2

Fotopoema2
Picasso - Guernica

O Sudoku de Ant.Gaudi no portal da Sagrada Família em Barcelona

O Sudoku de Ant.Gaudi no portal da Sagrada Família em Barcelona
Qualquer soma nas colunas, nas linhas ou em X dá 33: a idade de Cristo na cruz!

Pensamento1

Pensamento1
Fanatismo

Dies irae dies ille

Dies irae dies ille

These foolish things

These foolish things

Tem dias...

Tem dias...
Tem dias!

Wicked game (Kris Izaac)

Wicked game (Kris Izaac)

Babalu

Babalu
Fotopoema

Festival de Natal - Lago Negro - Gramado-RS

Festival de Natal - Lago Negro - Gramado-RS
Nativitaten - um espetáculo que se renova e merece ser visto e revisto!